Social Media: 7 regras para bombar nas Redes Sociais

Você já parou para se perguntar o motivo do seu conteúdo não estar engajando nas redes sociais? Para que um conteúdo 'bombe' é preciso engajar o público, ser carismático, tornar-se íntimo dos seus seguidores, e para que isso aconteça é preciso rever com atenção a sua comunicação.

Compartilhe

As redes sociais estão consolidadas como uma das principais atividades de lazer de grande parte da população mundial. O passatempo permite não só a comunicação em tempo real, como também o compartilhamento de informações, a interação com veículos de notícias, marcas, instituições, etc.

Tratam-se de meios acessíveis ao público como um todo, extremamente relevantes, e que hoje em dia se tornam essenciais para o meio corporativo. Estar fora das redes sociais traduz-se, efetivamente, em deixar de se comunicar diretamente com o seu consumidor.

Mas como fazer isso numa realidade em que a publicidade é quase que instantaneamente rejeitada? É preciso engajar o público, ser carismático, tornar-se íntimo, e para que isso aconteça é preciso rever muitos conceitos da comunicação tradicional, e entrar no mundo do Social Media.

Este artigo traz alguns pontos importantes que você precisa conhecer para lançar o seu negócio, serviço ou produto nas redes sociais e buscar o tão sonhado “perfil bombando”, vamos lá?

Boa leitura!

1 – Conheça o público-alvo das suas Redes Sociais

Acerte em cheio seu alvo nas redes sociais

Produtos ou serviços são criados para satisfazer as necessidades de segmentos específicos da população. Por isso, antes de mais nada, é necessário que você faça um levantamento de quais são as necessidades que o seu produto atende, para que, a partir disso, você consiga compreender melhor a quem serão dirigidos os seus esforços de comunicação.

Para que os dados do público-alvo sejam fiéis, você precisará de pesquisa. Existem empresas especializadas em pesquisas de mercado, mas se o seu negócio ainda não tomou as proporções para investir nesse tipo de serviço, é possível reunir informações (para ter um norte) por conta própria, por meio de formulários de internet, ou mesmo montando stands de pesquisa em pontos estratégicos da sua cidade.

Lembre-se, Giralfildes; seu intuito é ser imparcial e captar informações que irão de fato ajudar você a se comunicar melhor com o seu público. Privilegie questões que abordem hábitos de consumo que façam sentido para o seu produto ou serviço, também levando em consideração algumas informações demográficas.

Se possível, ofereça brindes pela cooperação; isso vai gerar um primeiro contato de troca com seu potencial cliente, aumentando as chances de que ele responda as questões corretamente e fique atento ao que sua marca está fazendo!

Com esse trabalho de pesquisa, você terá melhores bases para traçar sua buyer persona: o tipo ideal de consumidor que você pretende atingir – um conhecimento fundamental para definir toda a sua estratégia passando por linguagem visual, tom de voz e posicionamento de mídia.

2 – Defina seus principais canais

A escolha dos seus canais é primordial

Tenha sempre em mente que as diferentes mídias sociais “aceitam” melhor determinados tipos de conteúdo. Saiba se posicionar naquelas que melhor correspondam ao estilo do seu negócio.

O Facebook, por exemplo, é a maior rede social atualmente, com mais de 2 bilhões de usuários. Entretanto, se suas pesquisas apontarem que o seu público ideal interage com mais frequência no LinkedIn, ou no Instagram, esses números serão bastante relativos.

É importante ressaltar que os modelos de negócio das redes sociais sofreram mudanças nos últimos anos, tornando-se espaços publicitários bastante competitivos. De modo que, além de produzir conteúdos relevantes, atuais e bem construídos, é necessário investir em anúncios para divulgar produtos e serviços com maior efeito.

Note, também, que as estratégias de comunicação voltadas para as redes sociais têm em sua composição algo em torno de 80% de conteúdo informativo e 20% de propagandas diretas.

Isso não significa que você precisa seguir essa receita de bolo, ou que o conteúdo informativo é mais importante que os seus produtos e soluções. Porém, é importante que você não transforme as suas redes sociais em vitrines vazias, ou você corre o sério risco de se tornar irrelevante.

3 – Tenha um planejamento de conteúdo

Isso vai garantir que você cumpra um dos principais requisitos – a frequência. Descobrir qual a frequência ideal para as suas publicações é algo que cada empresa precisa fazer por si própria, aferindo a aceitação do público com base nos dias e horários que ele está mais ativo.

A depender do estilo do conteúdo, ou da abordagem, pode ser que o seu público fique ávido por mais coisas parecidas, ou pode ser que uma alta exposição daquele tipo de conteúdo se vire contra a sua estratégia.

Por isso, tenha um bom planejamento, certifique-se de conduzir testes com abordagens diferentes, temas variados, diferentes frequências, e claro, coletar as informações da plataforma e os feedbacks do público.

Procure não realizar alterações muito drásticas dentro de um dado planejamento – fazer isso vai impedir que você solidifique as boas práticas, ou tenha a certeza de que determinado tipo de conteúdo não deu certo.

O tempo de maturação mínimo de um planejamento gira em torno de 4 ou 5 meses, menos tempo que isso dificilmente oferecerá bases concretas para novas tomadas de decisão. Excetuando, é claro, que haja uma rejeição evidente de algum tema ou abordagem.

4 – Entenda o ‘porquê’ das redes sociais

É imperativo que você compreenda as suas redes sociais como um veículo de comunicação na letra fria do termo: significando diálogo. Ter um perfil robusto no Instagram não torna a sua marca mais legítima: trata-se justamente do contrário, o dia a dia da sua marca precisa alimentar as suas redes e torná-las relevantes para os seus consumidores/seguidores.

Não foque seu planejamento na exposição de produtos ou serviços – a comunicação das redes sociais é mais subjetiva, como numa conversa. Imagine conversar com alguém que só fala de um assunto?

Crie editorias de assuntos que se relacionam com a sua atividade e converse sobre isso com o seu público, ou vá ainda um pouco mais longe (se possível) e explore algumas camadas um pouco mais distantes do seu negócio – mas que ainda se relacione com ele.

Identifique os interesses do seu público e compartilhe com eles. Afinal, existe um motivo pelo qual cada pessoa começou a te acompanhar por ali, e você fará bem em compreendê-los.

5 – Estimule a interação

Quanto maior o número de pessoas comentando suas publicações, salvando para consultar mais vezes ou curtindo, mais os algoritmos vão funcionar a seu favor – exponencialmente.

Além disso, nunca se esqueça de que a maior e melhor característica de estar presente nas redes sociais é o contato direto com o público em tempo real. Tire o máximo dessa interação.

Dar a palavra à sua audiência vai fazer com que ela se sinta parte de uma comunidade, e para fazer com que isso realmente funcione, você precisa conhecer bem a sua persona!

Novamente, imagine-se conversando com um amigo – de buyer persona para brand persona.

Num diálogo, normalmente os assuntos surgem na nossa memória devido a algum conhecimento prévio a respeito das inclinações do interlocutor, temos interesses em comum com eles, queremos que eles se sintam à vontade conosco.

Uma vez que a marca consegue trocar com um seguidor, mais trocas virão. Você estará construindo relacionamentos.

6 – Use as hashtags corretas para atrair mais público

Quando utilizadas com critério e estratégia, as hashtags podem se tornar ótimas aliadas na distribuição do seu conteúdo, sabe por quê?

Elas funcionam como indexadores – tratam-se de palavras-chave que colocam suas publicações de encontro ao que as pessoas estão procurando. O grande lance é pesquisar os termos relacionados ao seu negócio e montar um banco de palavras.

O uso de hashtags tem algumas regras:

  • Primeiramente, ela é ativada com o (#) jogo da velha, e toda a palavra-chave deve ser digitada sem espaços, assim – #Girafildes.
  • Elas funcionam com palavras ou frases, então nada de picotar suas hashtags assim: #social #media. A não ser que você esteja falando de um fato social, e também da mídia como um todo, o certo é agrupar os sentidos: #socialmedia.
  • Se quiser facilitar a leitura, é liberado o uso da caixa alta – #SocialMedia.

Lembre-se sempre que você deseja atrair o público certo para as suas publicações. Por isso, a não ser que o seu negócio tenha alguma relação com um acontecimento que está bombando nas redes sociais, não force a “surfação de onda” – se não houver um lastro verdadeiro com o fato, o efeito para você será nulo ou negativo.

7 – Nunca dependa totalmente do tráfego orgânico

Lembra do começo deste artigo, em que falamos dos bilhões de usuários? Pois bem, são bilhões falando ao mesmo tempo e muitos negócios como o seu procurando meios de atrair as pessoas, assim como você.

O tráfego orgânico (posts não patrocinados) é baseado na qualidade do seu conteúdo, e no alcance imediato do seu perfil. Isso significa que para ter êxito com publicações orgânicas você precisa primeiramente investir na qualidade das suas publicações, e mesmo assim, o sucesso desses posts estarão condicionados ao tamanho do seu perfil e ao alcance de distribuição da rede social naquele momento.

O tráfego pago vai garantir que a sua mensagem seja entregue para as pessoas certas, que estão procurando conteúdos parecidos com os seus – aí a qualidade da sua publicação conta em dobro, Girafildes!

É importante que você tenha esta consciência: se o intuito é crescer o perfil do seu negócio nas redes sociais, só com publicações orgânicas será extremamente difícil!

(Dica Bonus) – Tenha um Social Media cuidando das suas redes sociais

Não que seja impossível aprender a “se virar” nas redes sociais, e isso é até recomendável no início. 

No entanto, cedo ou tarde você vai acabar percebendo que os próprios Social Media estão constantemente estudando para aprimorar suas técnicas e conhecimentos. 

Isso porque as atualizações das plataformas são bastante recorrentes, existe o aspecto visual que não pode ser negligenciado, além do estudo de linguagem que também é muito importante – é um “trabalho em progresso” constante! 

Então, naturalmente, à medida que o seu negócio for crescendo, a tarefa de gerenciar suas redes sociais vai se tornar um peso a mais, e você fará muito bem em delegar essa função.

O fim da história

O fim da história é que não há fim da história. Não existem receitas mágicas; o que existe é o esforço de transportar todos os sentidos da sua marca para as mídias sociais, seus valores e aspirações, e, através disso, cativar o interesse de potenciais clientes.

É possível que você esteja terminando esta leitura com mais perguntas do que tinha quando começou, e tudo bem! Para ajudar com isso, convido você a assinar a Newsletter para que você receba novos artigos como este, assim que eles saírem do forno.

Além disso, se quiser dicas rápidas, dá uma olhadinha no nosso Instagram que tem bastante coisa lá também!